De Evento em Evento

Passadas as emoções da Copa, voltamos para nossas realidades. Há quem a critique, cite a alienação provocada pelo evento a cada quatro anos, mas ninguém consegue viver sem um pouco de lazer. Sabemos que a realidade é bem mais dura que uma derrota em campo e por falar em evento, tem outro se aproximando que trará bem mais consequências para os próximos quatro anos do que as quedas de Neymar, as eleições.

Dia desses recebi um infográfico interessante que classificava os candidatos a presidente de acordo com seu posicionamento político, separando os que são de esquerda, os de direita e quem se coloca como sendo de centro, inclusive apontando um grau de esquerdismo ou direitismo, então refleti sobre qual seria o melhor caminho para nosso país. Gosto de conversar com várias pessoas e escutar os seus porquês e verifiquei existirem bons argumentos de lado a lado, mesmo tendo minha opinião sobre o assunto, sempre escuto a todos. Independente da corrente de pensamento, é inegável a influência da economia externa, dentre outros fatores macro e microeconômicos, estes ditam o ritmo de crescimento de um país, mas, dependendo das decisões de seus governantes, a nação pode crescer ainda mais aproveitando os fatores positivos ou deixar passar a onda benéfica e ficar para trás.

Independente do posicionamento do governante que está por vir, a história mostra que depois da tempestade sempre vem a bonança, foi assim depois da queda da bolsa de Nova York em 29, do golpe militar de 64 e do impeachment de Collor em 92. Estamos saindo de uma crise sem precedentes que culminou com o impeachment de Dilma, a incerteza ainda paira, mas assim que definirmos quem vencerá o próximo evento, esperamos que este vitorioso, nosso próximo presidente, consiga surfar nas ondas positivas e não apenas ficar justificando insucessos.

Marco Sodré

Superintendente do Polo Caruaru

Be the first to comment on "De Evento em Evento"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*