De onde vem o sucesso dos Magazines?

As redes de fast-fashion surgiram para revolucionar o ciclo de moda tornando-se um grande sucesso devido principalmente a rapidez com que as coleções eram lançadas no mercado. A obsolescência dos artigos tornou-se cada vez mais rápida e houve um grande crescimento nas vendas em relação ao sistema de prêt-à-porter e alta costura. Esse modelo de negócio serve de inspiração para outras marcas e também para o nosso polo de confecções.

O grande acerto do fast-fashion é o giro de produtos oferecidos ao consumidor que vão de acordo com a receptividade do mesmo. Bortholuzzi e Freire (2007) baseadas em Cietta (2016) explicam que a cada três meses é lançada uma grande coleção e no intervalo entre uma e outra são desenvolvidas mini-coleções. Estas, vão sendo desenvolvidas de acordo com a aceitação e feedback dos consumidores.

“Há uma primeira coleção que determina a orientação da esta- ção e contém os temas gerais que devem ser trabalhados nos dois meses subsequentes. Uma segunda coleção, por sua vez, introduz novidades e desenvolve os temas vendidos na coleção anterior. Por último, há uma terceira coleção que antecede o período de saldos, trazendo modelos que estimulem algum interesse dos consumidores”. (Bortholuzzi e Freire, 2017)

Com esse ciclo a frequência de compra é aumentada e a assertividade do produto se torna maior. Se uma coleção não agradou existe uma reorganização para fazer as correções para que o gosto do consumidor seja atingido, esta é a principal estratégia do fast-fashion.

Para que as redes de magazine consigam um giro de troca de produtos tão rápido em loja, há uma grande organização e parceria com os fornecedores (nossa região tem um grande potencial para fazer parte desse grupo), que vão desde industrias têxteis até os confeccionistas. É necessário um grande e importante trabalho de pesquisa para se fazer o direcionamento dos modelos. Escolher temas, cartelas de cores e tipos de produtos que devem estar presentes na primeira coleção e alinhados em primeiro lugar com o público alvo e com as tendências de moda e mercado. Esse direcionamento é passado para os confeccionistas e assim iniciar o processo de montagem da coleção e dos moods (direcionamento de estilo) que serão lançados nos dois meses seguintes.

O modelo de negócio do fast-fashion pode ser seguido por outras lojas de varejo. Mesmo quando a quantidade de peças é menor, é possível aplicar uma das principais estratégias desse segmento que é o feedback do consumidor final. A estratégia de venda nos magazines não é pautada apenas na agilidade de renovação de produtos, mas principalmente na aceitação do consumidor. Ele que vai moldando as coleções futuras. Os produtos mais vendidos são repetidos e os seus elementos são espalhados em outros artigos para que haja uma assertividade maior. Podemos utilizar como exemplo a venda de uma calça jeans. Se é lançada uma com modelagem cigarrete e esse modelo tem grande saída, consequentemente nas próximas coleções haverá uma variedade maior de calças cigarretes, desde as mais básicas até com mais informação de moda. Assim, agrada ao consumidor e fornece outras opções que se assemelham com seu gosto.

Este é um modelo de negócio que está em crescimento desde a década de 80 e que vem mudando a forma de vendas em varejo, não só nas redes de magazines, mas nas marcas de pequeno, médio e grande porte. A nossa região, como grande produtora de vestuário, deve estar atenta a esse mercado para fornecer e confeccionar os artigos. Expandindo os negócios locais.

Fonte: O FAST FASHION, O PROCESSO DE MIDIATIZAÇÃO E O NOVO CONSUMIDOR NA ERA DA INFORMAÇÃO: O PROSUMER. Juliana Bortholuzzi e Karine de Mello Freire.

Dayse Larissa

Designer de Moda e Pós-Graduanda em Comunicação Empresarial e Mídias Digitais

 

Be the first to comment on "De onde vem o sucesso dos Magazines?"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*