Nova Jerusalém – Um espetáculo de 50 anos

cidade de Nova Jerusalém em Pernambuco é uma reprodução da cidade onde Jesus nasceu, anos trinta e três depois de Cristo. Hoje, Nova Jerusalém, em Pernambuco, é considerada “o maior teatro ao ar livre do mundo”. Suas muralhas medem três metros de altura, com imensas torres de sete metros. Os palácios foram construídos em granitos, com grades pátios e lagos, tentando, assim, dar uma semelhança a Judeia. Graças ao saudoso Plínio Peixoto, o grande idealizador, juntamente com a senhora Ana Maria, Frederico Holanda, Walter Macedo, Ubirajara Galvão, Victor Moreira e Octávio Castanho, grandes arquitetos, que jamais serão esquecidos.

O município de Brejo da Madre de Deus, que fica localizado no centro do Agreste de Pernambuco, foi escolhido para ser a cidade teatro. A cidade está prestigiada por grandes hotéis, artesanato e um clima agradável. Sem dúvida, um patrimônio cultural e artístico do nosso estado. Nada mais que setenta mil metros quadrados. É curioso saber que o primeiro nome da Paixão de Cristo foi: “Drama do Calvário” e era encenado nas ruas da Vila da fazenda por volta de 1950. Não poderia deixar de falar de quem partiu a ideia. Epaminondas Mendonça, grande chefe político, era dono de um hotel da cidade. Certo dia, ele lendo uma revista, observou como os Alemães da cidade de Oberammergau encenavam a Paixão de Cristo e decidiu realizar um evento semelhante, durante a Semana Santa. Sua família teve um papel fundamental, pois fizeram parte do elenco principal. Assim, atraindo turistas para a região. Durante 12 anos, o espetáculo móvel foi encenado em vários locais, tendo os textos produzidos por Luiz Mendonça e Oziel Caldas.

A beleza do espetáculo foi atraindo mais pessoas de talento: Otávio Catanho, Clênio Wanderlei e o figurinista Victor Moreira. Plínio Pacheco, José Pimentel e Carlos Reis entraram para a família em 1956. Em 1962, os textos já eram de José Pimentel e com Plínio Pacheco passaram a ser responsáveis pela produção do espetáculo de 1961 e 1962. Viram a necessidade da construção da cidade-teatro de Nova Jerusalém. Sonhavam com palcos e plateias, que abrigassem muitos espectadores.

Em 1968, recomeçaram os espetáculos. Um jejum de cinco anos, devido à construção do cenário. Eram sessenta cenas móveis. O espetáculo passou a ser dublado, ouvido por um sistema de som. Graças ao Governador Nilode Souza Coelho, o espetáculo foi reiniciado. O governador Moura Cavalcanti desapropriou vinte e cinco hectares para o parque das esculturas e sessenta hectares para o estacionamento. Já o governador Marco Maciel, através das indenizações, ligou a Vila de Fazenda Nova à Nova Jerusalém. Em 1995, a Rede Globo incorporou-se ao plano comercial Paixão de Cristo, trazendo inovações em sua forma de apresentação, resgatando os temas religiosos aliados à história de Jesus Cristo.

Que este ano possamos reviver a história de Cristo através dos atores e atrizes e aplicá-la aos nossos corações.


Samuel Lira de Oliveira
Professor (FALUB-Carpina)
lira.samuel@yahoo.com.br

Be the first to comment on "Nova Jerusalém – Um espetáculo de 50 anos"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*