A hora de sair do Fundo do Poço

Queridos leitores, quero dar os parabéns a você que superou todos os obstáculos, desde o surgimento da pandemia e nesse primeiro semestre de 2022. Mas, quero, especialmente, parabenizar a quem não conseguiu superar nenhum obstáculo, quem se sentiu ou se sente um fracasso. Você que se encontra no “fundo do poço” com a consciência de não ter mais para onde descer

Ironias a parte, quero me dirigir a você que tem estado as voltas com uma situação caótica, onde já não encontra forças nem esperança. Entendendo-se que para se ter esperança é necessário acreditar nas soluções e vislumbrar novos horizontes.

Então, você pode questionar por que os parabéns. Será que eu resolvi “tirar onda” com sua cara e de centenas de pessoas que estão numa profunda escuridão quanto a perceber a saída para suas angústias?

Acontece que quando chegamos a um determinado estágio, diante da vida, e temos a condição de admitir onde estamos e como sentimos, sem rodeios nem fugas da realidade, é quando, finalmente, podemos mudar a configuração do problema, ou seja, partir para solução e sair do “fundo do poço”

Uma vez, há muitos anos, eu atendi no consultório, uma pessoa que atribuía seu infortúnio a uma criação severa e à morte precoce dos pais. Essa crença na falta de sorte por sua fatalidade, a impedia de viver o presente e se responsabilizar por sua vida. Quando ela entendeu que todo aquele discurso não era suficiente para me comover e justificar sua inércia, ela olhou para mim com espanto e afirmou não ter mais problema algum a resolver e nunca mais retornou ao atendimento. Aqui fica claro a impossibilidade de qualquer solução, diante da negação de que algo seja diferente. Invalidando qualquer outro ponto de vista. Daí o porquê dos parabéns, visto que não se pode sair de uma situação se não reconhecer que se está nela.

Na maioria das vezes, esse é um mecanismo de defesa para proteger-se da vergonha, culpa ou medo, diante dos fatos. E o começo da cura ou solução torna-se impossível. Afinal, nenhum processo terapêutico faz milagre, mas o comprometimento do ajudado na mudança de padrão, seja individualmente ou em grupo, no caso de questões pessoais ou coorporativas.

Desde Freud, até hoje, se avançou muito no que diz respeito a intervenção terapêutica e a visão sistêmica que explica a relação indivíduo com o todo, fazendo parte de uma grande teia, onde tudo é afetado por tudo. A partir dessa visão tornou-se possível a expansão de consciência, permitindo, assim, liberar emaranhados dos problemas originários de muitas gerações.

A depressão é um bom exemplo de “fundo de poço” que leva milhares de pessoas, pelo mundo, à tentativa de suicídio com sucesso em muitas dessas. Portanto, o primeiro passo para sair do fundo é reconhecer que se chegou lá.

O segundo passo é ter humildade para procurar ajuda. O terceiro passo é aceitar mudar padrões repetitivos de pensamento e comportamento com o apoio da orientação profissional, seja de psicólogos, terapeutas integrativos, médicos psiquiatras ou todos juntos.

Estudos recentes revelam que os problemas físicos e mentais aumentaram de forma assustadora depois da pandemia, e que a depressão será a maior causa de invalidez, pelo mundo, nos próximos anos. Sendo assim, este artigo tem por finalidade, alertar para que você e quem esteja em seu campo sistêmico (familiares, governos e as políticas públicas, empresas privadas) possa expandir a consciência quanto ao diagnóstico, prevenção e tratamento precoces, visando proporcionar melhor qualidade de vida a pessoas e grupos

Nesse cenário de transformações constantes, onde a tecnologia atropela a capacidade de adaptação do ser humano acompanhar tantas mudanças e, cada dia mais, o aumento da competição e a exposição em lugares como as redes sociais virem a ocupar o lugar dos valores éticos e do respeito às diferenças, é prioridade cuidar-se com pés no chão.

É necessário admitir a vulnerabilidade diante da realidade de que, desequilíbrio emocional afeta a todos, sem discriminação de classe social, idade, raça ou nacionalidade.

Eu então, sigo em atendimentos presenciais e online, onde munida de recursos terapêuticos, parabenizo, diariamente, clientes da cidade, da região e também, de fora de Brasil, que mergulham nos seus processos, a partir da consciência de que, antes sofriam sozinhos mas, a medida que aceitaram suas limitações e procuraram ajuda, fazendo a parte que a cada um cabe, é possível sentir a mola impulsionadora existente no fundo do poço!

Desejo que seja seu, o impulso e a mola, nossa contribuição!

Forte abraço.

Shirley Freitas do Carmo

Psicóloga, Trainner em Programação Neurolinguística (Pnl), Consteladora Sistêmica e Thetahealing. shirleyconstela@hotmail.com – 81 99555.1309

Be the first to comment on "A hora de sair do Fundo do Poço"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*